JORNALAHP

Dentista pesquisa "como comprar maconha" na web e perde R$ 200 mil

Por Francisco Alves de Souza em 01/12/2021 às 07:40:04

Traficante alegou que o entregador havia sido preso, e que seria responsabilidade do dentista ajudar a pagar pela soltura do rapaz.

'ME DIGAS COM QUEM ANDAS, QUE DIREI QUEM TU ÉS'. Esse provérbio popular é bem conhecido em toda sociedade. Um dentista de 42 anos se envolveu com BANDIDOS e se deu mal. Compra e venda de entorpecente é crime e, geralmente, quem entra nesse ramo dificilmente se dá bem. Nesse caso, o dentista perdeu mais de R$ 200 mil no 'negócio'.


O crime aconteceu em 2 de novembro deste ano, quando o profissional usou o Google para pesquisar como "comprar maconha em Brasília" e, em resposta à pesquisa, apareceu um contato de celular do Rio de Janeiro. O caso é investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF)

Um homem, que se apresentou com Ruan, passou a conversar com o dentista por meio do WhatsApp. Os dois combinaram de se encontrar em frente a um templo budista, na Asa Sul, onde haveria a entrega de 50g de maconha e outra pequena porção de haxixe. Como forma de pagamento antecipado, a vítima fez duas transferências, em chave PIX, totalizando R$ 3 mil.

Antes mesmo de receber o entorpecente, o dentista alega que passou a ser pressionado por Ruan a realizar novas transferências sob a alegação de que seu entregador havia sido preso, e que seria responsabilidade dele ajudar.

Na mesma conversa, o traficante enviou os endereços do dentista, da mãe e até mesmo do seu local de trabalho, como forma de intimidá-lo. O homem afirma que passou a ceder às exigências do criminoso e, entre 3 e 10 de novembro, realizou diversas transações totalizando montante superior à R$ 200 mil.

Posteriormente, o profissional relatou que passou a receber contato de uma pessoa que usava número com prefixo de São Paulo. O interlocutor se apresentou como policial e afirmou que conhecia toda a quadrilha que estava praticando a extorsão contra ele. O suposto investigador exigiu que fosse realizada transferência de R$ 150 mil para que não fizesse mal ao brasiliense. O pagamento, entretanto, não foi feito.

À Polícia Civil o dentista assumiu ser usuário de maconha há alguns anos, entretanto, disse fumar esporadicamente. O caso foi registrado como extorsão na 1ª Delegacia de Polícia (Asa Sul).


Comunicar erro
cosmetic shop

Comentários

MOTOCICLO