JHP2

PM morta tinha conversas vigiadas e comportamento controlado pelo marido, diz MP

Por Daniel Alves em 17/09/2023 às 07:24:02

Policial Daniela vítima de feminicídio.

Segundo o Ministério Público, casal tinha relacionamento conturbado, com brigas constantes. Defesa dele disse que vai esperar andamento do processo para se manifestar.


O Ministério Público do Paran√° (MP-PR) disse que Kenny Aisley Rogério Vasconcellos Martins, de 37 anos (foto), acusado de matar a esposa com um tiro na cabeça, a policial militar Daniela Carolina Marinelo Martins, tinha "um comportamento controlador", além de "vigiar as conversas e redes sociais dela".

O crime aconteceu em 1¬ļ de setembro, na resid√™ncia onde o casal morava, em Maring√°, norte do estado. Kenny foi preso no mesmo dia. A vítima tinha 36 anos e estava h√° 10 na Polícia Militar.

A defesa dele informou que vai aguardar o andamento do processo para avaliar as provas.

O homem foi denunciado pelo Ministério Público por homicídio com quatro qualificadoras: motivo torpe, recurso que dificultou a defesa da vítima, feminicídio e por emprego de arma de fogo de uso restrito ou proibido.

A Justiça pode, ou não, aceitar a acusação.

Relacionamento conturbado

Segundo a denúncia do MP, Kenny e Daniela mantiveram o relacionamento por um ano, e celebraram o matrimônio em julho deste ano no regime de comunhão universal de bens.

Além disso, formalizaram um acordo antinupcial com uma cl√°usula que citava a perda total dos bens para a parte causadora em situação de descoberta de traição.

De acordo com o MP, Kenny se mudou para a casa de Daniela e dos tr√™s filhos dela. A denúncia afirma que "as brigas entre o casal eram constantes", o que teria resultado no distanciamento da policial de familiares e amigos.

PM suspeitou de traição

Na acusação, o Ministério Público argumenta que Daniela, no dia do crime, discutiu o marido porque estava desconfiada de uma possível traição dele.

Após a briga, os dois foram dormir em uma bicama porque o quarto deles passava por uma reforma.

Segundo o MP, Kenny, "enfurecido pela discussão e movido pelo temor da possibilidade de separação com base na cl√°usula de traição", pegou a arma de esposa policial e atirou na cabeça dela.

Simulou suicídio

O MP afirma que Kenny teria simulado o suicídio da esposa, posicionando o cano da arma na lateral direita do crânio dela.

Depois do disparo, ele teria começado a gritar, chamando a atenção de vizinhos e dizendo que a esposa tinha se matado.

Socorristas do Samu e Siate levaram a policial a um hospital de Maring√°, onde ela teve a morte confirmada.

Em depoimento, o homem contou à Polícia Civil que Daniela estava em pé no momento do disparo.

A Delegacia de Homicídios de Maring√°, que investigou o caso, tem outro entendimento. Segundo o inquérito policial, os vestígios de sangue na parte superior da cama mostram que a vítima estava deitada.


Comunicar erro
cosmetic shop

Coment√°rios

JHP